Princípios para edificar um casamento saudável

Por 9 de junho de 2019 Devocionais

Efésios 5.28
Assim também os maridos devem amar a sua mulher como ao próprio corpo. Quem ama a esposa a si mesmo se ama.

Reflexão


A construção de um casamento saudável é mais importante do que o mais cobiçado sucesso. A vitória que custa a perda da família tem um gosto amargo. O sucesso que sacrifica a família é puro prejuízo. Nenhum sucesso compensa o fracasso da família. Rob Parsons, em seu livro 6o minutos para renovar seu casamento, ensina alguns princípios importantes para edificar um casamento saudável:

1. DESENVOLVER UMA COMUNICAÇÃO EFICAZ (PV 18.21).

A comunicação é o oxigênio que possibilita à família respirar. A vida e a morte estão no poder da língua. Podemos dar vida ou matar o relacionamento familiar, dependendo de como nos comunicamos. Em muitas famílias, o diálogo está morrendo. O processo da morte do diálogo é como uma separação gradativa. E, quando acaba o diálogo, as pessoas parecem morrer por dentro. A falta de diálogo tem sido uma das principais razões para a crise conjugal e até mesmo para muitos divórcios nestes tempos. Há famílias nas quais o silêncio gelado já substituiu a conversa saudável. Há lares quais as farpas venenosas de acusações e insinuações ferem as pessoas e deixam os relacionamentos adoecidos. Há famílias nas quais o perdão jamais é oferecido, as mágoas jamais são tratadas e a comunicação se toma cada vez mais truncada. Nessas famílias, a língua deixa de ser remédio para ser veneno; deixa de ser bálsamo para chicote; deixa de ser fonte de vida para ser fogo destruidor.

2. SEPARAR UM TEMPO PARA O CÔNJUGE (Ef 5.29).

A agenda congestionada parece ser um dos tormentos deste século. Todos nós andamos ocupados demais. Muitas vezes, sacrificamos as coisas verdadeiramente importantes por aquelas aparentemente urgentes. É impossível manter viva a chama do amor sem dedicar tempo ao cônjuge. Às vezes, o consorte consagra tudo ao cônjuge, exceto tempo. Se não dispusermos de tempo para a família, poderemos ter muito sucesso fora de casa, mas, mais cedo ou mais tarde, ao olharmos para trás, sentiremos um grande pesar. Quem ama declara que ama. Quem ama tem tempo para a pessoa amada. Quem ama procura agradar a pessoa amada. Os casais mais felizes são aqueles que encontram tempo para estar juntos.

Certa feita, fui procurado por um casal que estava se divorciando. Depois de quinze anos de casados, ainda a esposa trabalhava das 8 às 17 horas, e o marido, das 15 às 23 horas. Depois desses anos, um olhou para o outro e perguntou: “Quem é você?” A voz que eles ouviam não era do cônjuge; o cheiro que eles sentiam não era do cônjuge. Descobriram depois de quinze anos que estavam dormindo com um estranho. O casamento acabou porque eles não investiram tempo para estar juntos. Buscavam coisas e perderam o relacionamento.

3. SUPERAR TENSÕES E CONFLITOS (Cl 3.13).

Não há casamento sem tensões e conflitos. Não há casamento perfeito. Marido e mulher são dois universos distintos, com visões, perspectivas e desejos não apenas diferentes, mas, às vezes, conflitantes e opostos. Investimento e renúncia são necessidades básicas para manter um casamento saudável. Por termos queixas uns dos outros, precisamos exercitar o perdão, sempre. Pelo perdão, nosso hoje fica livre dos ressentimentos de ontem. O perdão é difícil, às vezes embaraçoso, mas sem ele não há esperança para nós. O perdão é a cura das memórias amargas. É a faxina da mente, a assepsia da alma. Perdoar é lembrar sem sentir dor.

4 .TER UMA CORRETA RELAÇÃO COM OS FILHOS (Ml 4.6).

Alguém já afirmou, de forma jocosa, que a loucura é hereditária. É transmitida dos filhos para os pais. Muitos cônjuges entram em crise no casamento por causa da distorção do relacionamento com os filhos. Muitos tentam compensar o frágil relacionamento conjugal desenvolvendo um relacionamento possessivo com os filhos. Os filhos nunca podem ocupar o lugar do cônjuge. Essa distorção relacional machuca tanto o cônjuge como os filhos. A melhor coisa que o pai e a mãe podem fazer pelos filhos é amar um ao outro. Muitos cônjuges chegam à terceira idade em crise, porque, quando os filhos se casam e saem de casa, eles não sabem mais se relacionar saudavelmente um com o outro. Há muitos divórcios a cura acontecendo pela síndrome do ninho vazio.

5. ADMINISTRAR CORRETAMENTE O DINHEIRO (Ef 4.28).

Muitos casais não sabem lidar com o dinheiro. Vivem atolados em dívidas, comprando o que não precisam, com o dinheiro que não têm, para impressionar pessoas que não conhecem. Problemas financeiros têm sido uma das principais causas de brigas, contendas e divórcios. Gastar mais do que se ganha, viver de empréstimos e pagando juros representa um grande perigo para a família. A dívida coloca um tremendo peso sobre o relacionamento familiar. É melhor viver uma vida mais modesta do que viver de aparências. É melhor o pouco com paz do que o muito sem tranquilidade de espírito. Salomão diz que “Melhor é um prato de hortaliças onde há amor do que o boi cevado e, com ele, o ódio” (Pv 15.17). Há pessoas que têm muito, mas vivem perturbadas. Há outras que, embora tenham pouco, vivem de forma abundante. A Bíblia diz que “Uns se dizem ricos sem terem nada; outros se dizem pobres, sendo mui ricos” (Pv 13.7).

Decisão


Quais ensinos você aprendeu nesta lição? O que você identificou em sua vida que precisa mudar? Quais lições você precisa aplicar? Quais decisões você precisa tomar para vivenciar estes ensinos em sua vida e família?

Oração


Não deixe de orar meditando em todas as lições, agradecendo a Deus e pedindo-lhe que realize todas as mudanças necessárias em você e através de você, seja entre seus familiares, irmãos na fé e em todos ao seu redor.

* Extraído e organizado a partir da obra: LOPES, Hernandes Dias. Mensagens Selecionadas para a Família. São Paulo: SP. Editora United Press/Ultimato, 2017.

Deixe um Comentário